INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DE MEUS PAIS


Minha mãe Diva e eu.
Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a Deus pelos pais maravilhosos que tivemos. Eles já se foram, e deixaram à nossa família um legado de bons exemplos e de empenho por nós. Se na Bíblia se diz que os filhos são herança do Senhor, não seria nenhuma impropriedade afirmar que os pais são presente de Deus. Os nossos foram especiais.
Quando meus pais faleceram, sendo minha mãe por último, fui tocada a escrever sobre eles uma breve história, recordando momentos de suas vidas que marcaram positivamente pessoas de todos os níveis sociais que deles se aproximaram. Seria o mínimo que poderia fazer para agradecer tão grande bondade divina, quem sabe também um meio de conviver bem com a saudade que dia a dia meu coração tem o prazer de sentir.
Eu com meu querido Pai,
João Dudu.
Antes de mergulhar nas águas de uma história alegre, encorajadora e marcante, quero elencar algumas semelhanças entre a vida de meus pais, Dona Diva e Seu João Dudu com Maria e José, pais de Jesus. Não que eu tenha a pretensão de torná-los tão santos quanto aqueles ícones da fé cristã, mas como forma de mostrar que Deus deu-me o privilégio de ter pais que seguiram o exemplo de vida daqueles heróis da fé.
Maria, mãe de Jesus Cristo, era uma mulher humilde. Minha mãe também. José um homem justo, e recebeu este reconhecimento na Bíblia. Meu pai também. Todos que os conheceram viam neles exemplos de humildade e justiça.
Maria e José foram usados para cumprir os planos de Deus, os quais se centralizaram na salvação de todos aqueles que cressem em seu filho Jesus. Meus pais também dedicaram-se a cumprir os planos de Deus. A história de vida deles mostra como se empenharam a não só levar o Salvador às pessoas, mas a querer o bem delas, individualmente, como família, como sociedade e como cidadãos do Reino de Deus.
Maria e José eram pobres, mas dedicaram-se na criação de Jesus, tanto que a Bíblia menciona que Jesus crescia na graça e no conhecimento de Deus. (Lucas 2:52) Meus pais também foram pobres e mesmo assim não deixaram de prover a meus irmãos e a mim os devidos cuidados e ensinos para crescermos com um coração agraciado por Deus com talentos, dons e um conhecimento básico sobre a vida com Deus.
Maria e José demonstraram obediência à voz de Deus, quando o anjo Gabriel foi-lhes enviado para avisá-los do que Deus lhes reservava. Meus pais também obedeceram ao conselho de um mensageiro de Deus, um Frei, Damião. Graças a esta atitude deles, nossas vidas prosperaram.
Maria e José certamente foram os maiores exemplos de intimidade com Jesus Cristo, como cuidar dEle em seu nascimento aqui na terra, de sua infância e adolescência, de sua instrução como homem Jesus, até em aprender com Ele. A história de meus pais evidencia intimidade com Jesus Cristo, pois aprenderam com a Bíblia os passos de Jesus e aprenderam com Ele a Salvação e a alegria de serem filhos de Deus.
Maria e José foram pessoas de boa reputação. Maria porque foi a mulher mais santa que já existiu, tanto que recebeu a graça de ser a mãe de Jesus, o homem-Deus. José, porque era homem justo. Meus pais também foram reconhecidos como pessoas devotos do Sagrado Coração de Jesus. Não precisaram ser os mais devotos para demosntrarem sua fé em Deus e sua devoção em imitar o exemplo deixados pelos Santos da Igreja Católica. Viveram para empenhar-se pela justiça para com os pobres, os menos favorecidos. Sabiam que Jesus certa vez disse que quando se fizesse algo para um desses pequeninos, era a Ele que estavam fazendo. - Mateus 25:40.
Maria e José precisaram fugir de sua terra para o Egito, para evitar que o Rei Hedores matasse o menino Jesus. Não tiveram escolha, mas passaram todas as dificuldades possíveis para cuidar da criança. Meus pais também tiveram que se mudar de sua terra, e viveram até mesmo um longe do outro, com o intuito de cuidar de meus irmãos e de mim.
Segundo a tradição da Santa Igreja Católica, José morreu primeiro que Maria. Meu pai também nos deixou primeiro que minha mãe. E assim como Maria assistiu à triste morte de Jesus, mas suportou em obediência a vontade de Deus, minha mãe também perdeu filhos, e soube se submeter aos desígnios de Deus.
          Insisto em que perto de Maria e José, meus pais foram apenas servos, pequenos diante de tão nobres exemplos de santidade e submissão a Deus. Mas essas semelhanças mostram que nos é possível imitar os exemplo de homens de Deus. O Santo Apóstolo Paulo escreveu para que os cristãos da Igreja em Corintio imitassem o próprio Paulo, como filhos de Deus. (Efésios 5:1) Da mesma forma, podemos imitar os exemplos de Maria e José. Graças a Deus!

Depoimentos unânimes e coerentes

Muitas pessoas foram entrevistadas para que esta história sobre meus pais fosse transformada em um livro. O que mais me impressionou foi a coerência entre os entrevistados. Não houve contradições, o que atesta a veracidade dos fatos aqui contados.
Por isso, senti-me grata ao ouvir dos filhos e genros, dos netos, de parentes e amigos próximos e distantes, e de pessoas das áreas da política, medicina, educação, entre outras, a mesma linha mestra: Dona Diva e seu Dudu foram pessoas maravilhosas, e quando partiram para o Reino de Deus, deixaram uma saudade daquelas que vale a pena ser sentida, porque só traz boas recordações.

Quando sonho com meus pais,
Não pretendo acordar jamais
No sonho, o tempo não passa;
e dormindo, de Deus sinto graça.

Quando sonho com meu pai,
Eu pergunto aonde o senhor vai?
Ele me abraça, e indo se vira,
Volto logo prá você, Djanira.

Quando sonho com minha Diva,
é minha mãe sempre viva!
Do meu mamar até sua partida,
Brota a história por mim vivida.

Quando sonho com meus pais,
Não quero acordar mais;
Mas acordo tão feliz!

Foi mais um sonho que Deus quis.

Nenhum comentário: